segunda-feira, 31 de agosto de 2009

Grupos pequenos e o discipulado cristão - 2a parte


Graça e Paz!

Daremos continuidade ao estudo sobre a importância dos grupos pequenos para que haja um discipulado eficaz, mais quatro razões então para que tenhamos como primordial um trabalho de grupos pequenos (ou células, koinonias, etc) que efetivamente foque no crescimento do discípulo.

VANTAGENS DE UMA ESTRUTURA DE GRUPOS PEQUENOS (adaptado - 2a parte)

5- ELA PODE CRESCER AO SE MULTIPLICAR - Um grupo pequeno só é eficiente enquanto for pequeno, mas pode facilmente reproduzir-se. Sendo assim, o discípulo de Jesus tem oportunidades sem igual de, ser acrescentado em experiências pela inclusão de novas pessoas no grupo, ou, de contribuir na própria liderança do grupo haja visto que o pequeno grupo é um lugar excelente para o exercício dos dons dentre eles o pastoreio, a liderança, o ensino, etc.

6- ELA PODE SE TORNAR UM MEIO EFICIENTE DE EVANGELISMO - Cremos firmemente que o grupo pequeno é o melhor ambiente nas grandes metrópoles em que o pecador pode ouvir a voz convincente do Espírito Santo e converter-se a Jesus Cristo. O testemunho livre e autêntico de pessoas convertidas a Cristo num ambiente de informalidade e acolhimento produzirá seus salutares efeitos. Têm aí o discípulo uma oportunidade ímpar de testemunhar de sua fé e de sua nova vida em Cristo Jesus.

7- ELA REQUER UM MÍNIMO DE LIDERANÇA PROFISSIONAL - Necessária se faz uma liderança competente no trabalho de pequenos grupos. A experiência demonstra que tais líderes podem e devem ser desenvolvidos na própria igreja local por um ou dois grupos iniciais chave. E que também haja um sistema de treinamento contínuo das novas lideranças que naturalmente surgirão. Neste quesito o discipulado para a liderança é fundamental. Por liderança profissional queremos entender o treinamento dado em seminários ou faculdades teológicas. São extremamente importantes, endossamos a formação teológica de nível superior, mas cremos que verdadeiros líderes emergem da igreja local sem necessariamente primeiro terem de ir para a vida acadêmica.

8- ELA É ADAPTÁVEL À IGREJA INSTITUCIONAL - Finalmente, o trabalho de grupos pequenos não precisa desprezar a estrutura de uma igreja institucional. Os grupos pequenos podem ser introduzidos nela sem abandonar ou minar a igreja. O que desejamos enfatizar neste ítem é o que já frisamos: nos pequenos grupos ou células o discipulado pode ser melhor desenvolvido; os discípulos de Cristo, quer sejam novos na fé ou com mais quilometragem na caminhada, podem usufruir em conjunto das benesses da mutualidade dos dons e o melhor espaço para isso é numa ambiência de informalidade e abertura onde todos podem ministrar e ser ministrados.

Concluindo, como ressaltado na primeira parte, o ideal é que se pense no discipulado em termos de um ministrando a outro, ou seja, na base do um-a-um. O pequeno grupo favorece enormemente a entrada para isso, pois deverá existir ali idealmente a informalidade, a transparência e principalmente o interesse mútuo temperado pelo amor. A igreja de Cristo deve cuidar das pessoas, umas cuidando das outras, discípulo ministrando a outro discípulo, líderes neófitos ministrados por líderes amadurecidos a fim de que se cumpra o ideal de Efésios 4.16: "Do qual todo o corpo, bem ajustado, e ligado pelo auxílio de todas as juntas, segundo a justa operação de cada parte, faz o aumento do corpo, para sua edificação em amor."

Que Deus possa abençoar você, seu comentário é bem vindo, participe!

Nenhum comentário: