terça-feira, 21 de fevereiro de 2012

Igreja distorcida, discípulos tortos!


O Evangelho puro e simples tem passado por maus bocados nos dias de hoje. O conceito de uma igreja defensora da verdade do Evangelho, uma igreja pura, que pratique a sã doutrina, está sendo posto de lado constantemente. Aqui e ali proliferam igrejas que se esmeram em modismos e invencionices humanas com o intuito de alcançarem uma suposta relevância, mas que na verdade deturpam a preciosidade e a vitalidade do conceito bíblico de Igreja como se encontra nas páginas do NT.   

Isto certamente vai impactar no discipulado. No seguir a Cristo todos os dias e todas as horas. A confusão reinante de ideologias, doutrinas e visões de ministério produz uma Igreja distorcida e indubitavelmente vai gerar discípulos tortos. Tortos no sentido de não andarem segundo o RETO caminho que lhes é proposto nas Escrituras (At 13.10). Teologia Relacional. Teologia da Prosperidade. Liberalismo teológico. Neopentecostalismo. Legalismo de usos e costumes, ou o seu oposto, o Antinomianismo. Essas são as distorções que estão em nosso meio e que exigem um posicionamento firme de todo o crente que ama e reconhece a sã doutrina (2Tm 4.3).

É importantíssimo o discipulado saudável na Igreja do Senhor. Já expus em textos anteriores o ideal de um discípulo de Cristo mais veterano na intimidade e perseverante na caminhada com o Senhor, colocar-se em posição de discipular, de ensinar discípulos mais novos a que também aprendam a ter a mesma intimidade e perseverança em caminhar sempre com Jesus. Isso é fundamental na Igreja cristã.

Todavia será um discipulado tortuoso, desfocado, inútil tanto para o discipulando como também para o que discipula, se tiverem como pressupostos de fé, conceitos teológicos como os que relacionei há pouco. Como pensar em um discípulo saudável que acredita que Deus abriu mão de sua soberania, ou que não é onisciente? Ou um discípulo que acredita que pode ordenar que o Senhor Deus atenda a todos os seus pedidos, que ele tem direitos e Deus é obrigado a atendê-lo? Ou, aqueles que entendem que a vida cristã é sinônimo de um código de regras e que quase tudo é pecado? Ou, em outro extremo, o crente pode fazer o que quiser, até cair na gandaia, porque sendo Deus gracioso, sempre irá perdoá-lo?

Não se pode pensar em discipulado saudável em ambiências como essas. Não se concebe saúde espiritual e caminhada junto com o Mestre se a Palavra de Deus é desprezada nessas variadas formas.

Urge que cada pastor volte-se para a pureza da Palavra de Deus. Que abandone urgentemente toda heterodoxia, todo ensino errôneo, e se apegue à sã doutrina, à ortodoxia. Parece que há pastores que entendem que a Bíblia tem de ser complementada com ensinos humanos. A REVELAÇÃO DE DEUS É COMPLETA E IMUTÁVEL. O QUE DEUS TENCIONOU NOS REVELAR E ORDENOU QUE OBEDECÊSSEMOS ESTÁ NOS 66 LIVROS QUE COMPÕEM AS SAGRADAS ESCRITURAS. 

Uma igreja distorcida é aquela que, além da Bíblia, enfatiza interpretações humanas alheias ao que o texto bíblico realmente quis dizer. Isto vai gerar multidões de discípulos tortos, ou seja, deformados em sua vida de fé no Senhor, porque acreditam e colocam em prática ensinos que Deus nunca teve a intenção de repassar-lhes para que obedecessem.

Todo obreiro, todo mestre, todo pastor, todo discipulador, deveria bem atentar para as palavras do apóstolo Paulo em 1Tm 4.6: "Propondo estas coisas aos irmãos, serás bom ministro de Jesus Cristo, criado com as palavras da fé e da boa doutrina que tens seguido." Que coisas são essas? No verso 1 em diante, por revelação do Espírito Santo, Paulo diz que muitos apostatariam, abandonariam a fé, por darem ouvidos a espíritos malignos enganadores e acreditarem nas doutrinas diabólicas que ensinariam. Ele fala da falsidade, da hipocrisia dessas pessoas, desses líderes que tem a consciência morta, cauterizada, por falarem e ensinarem muitos conceitos estranhos à Bíblia. E em seguida fala da importância da Palavra de Deus e da oração para a santificação do cristão.

Então, que cada um de nós, especialmente enquanto pastor, mestre, presbítero, diácono, discipulador etc, possa refletir diante do Senhor no que tem acreditado, se é realmente a sã doutrina. Sua prática de vida com Cristo deve estar exatamente conforme ao que está escrito. E assim poder ensinar a outros. Disso resultará uma igreja equilibrada e discípulos bem aprumados.

Que o Senhor da Igreja abençoe a mesma e a todos os seus leais discípulos e seguidores. 

Soli Deo Gloria.
  

sábado, 11 de fevereiro de 2012

O discípulo e a sua viva esperança


Quantas pessoas do mundo podem ter absoluta tranquilidade quanto aos dias difíceis e complicados em que todos vivemos? Quantas pessoas sabem o que realmente lhes aguarda num futuro não tão distante? Quantas podem descansar na certeza de que nada de ruim lhes acontecerá e que ele e sua família estão resguardados com toda segurança diante dos sobressaltos atuais?
A resposta é: Nenhuma pessoa que não tenha conhecido a Cristo e está crescendo no relacionamento com ele, pode afirmar que tem uma esperança no porvir e  de que está inteiramente segura nesses dias.
O discípulo de Jesus pode descansar realmente na absoluta certeza de que o Senhor é com ele e por isso pode perfeitamente preservá-lo. A Bíblia não diz que o cristão não haveria de passar por aflições e problemas variados. Jesus mesmo disse em João 16.33: “Tenho-vos dito isto, para que em mim tenhais paz; no mundo tereis aflições, mas tende bom ânimo, eu venci o mundo.”  Já não estaremos com aquela expectativa ingênua em achar que estamos em uma bolha protetora pelo fato de sermos crentes em Jesus. Mas o Senhor promete estar conosco, assim como Ele esteve, por exemplo, com Sadraque, Mesaque e Abedenego na fornalha (Dn 3.8-30) ou com Daniel mesmo na cova dos leões (Dn 6).
O que gostaria de ressaltar é que, aqueles que não conhecem ao Senhor, se desesperam via de regra e sofrem terrores indescritíveis diante de situações de aflição na vida. Muitos ficam abatidos, desanimados e até mesmo em estado de depressão. Não vislumbram muitas vezes nenhuma esperança e acham que tudo está perdido. E quando se fala quanto ao futuro da humanidade então, eles tecem inúmeras teorias quanto ao fim do mundo por exemplo, mas todas desprovidas de um real conteúdo de esperança real e bem-aventurança.
Quão diferente é para o discípulo de Cristo. Ele, por conhecer a seu Senhor e crescer a cada dia em seu relacionamento com Ele, sabe perfeitamente por meio da Palavra de Deus, a Bíblia Sagrada, que tem um futuro glorioso. O porvir do crente é maravilhoso. O Espírito Santo gloriosamente testifica em seu íntimo essa verdade, porque o servo de Jesus Cristo, é leitor compenetrado das Escrituras e tem uma confiança que sobrepuja a toda e qualquer tribulação pela qual esteja passando. Ele sabe que estas são efêmeras. São de curta duração. O apóstolo Paulo disse: “Porque a nossa leve e momentânea tribulação produz para nós um peso eterno de glória mui excelente.” 2Co 4.17.
Vivamos pois, como seguidores de Cristo que somos, com nossa esperança continuamente avivada. Como faremos para que seja sempre assim? Procurando cultivar mais profundamente a vida com o Senhor. Por vezes temos a tendência de deixar de lado a oração, a leitura e meditação nas Escrituras e com isso nossa alma começa a ter inanição e sem alimento, podemos ter nossa visão de esperança ofuscada e Satanás vem tentar roubar-nos as bençãos do Senhor: a paz, a alegria e a esperança.
Lembremo-nos destas palavras inspiradas pelo Espírito Santo: “Porquanto ouvimos da vossa fé em Cristo Jesus, e do amor que tendes para com todos os santos; por causa da esperança que vos está reservada nos céus, da qual já antes ouvistes pela palavra da verdade do evangelho”  (Cl 1.4,5) e também: “Amados, agora somos filhos de Deus, e ainda não é manifestado o que havemos de ser. Mas sabemos que, quando ele se manifestar, seremos semelhantes a ele; porque assim como é o veremos. E qualquer que nele tem esta esperança purifica-se a si mesmo, como também ele é puro” (1Jo 3.2,3).
Por isso tudo e muito mais é que deveremos firmemente prosseguir em nossa jornada nessa vida, sempre olhando firmemente para o Senhor Jesus Cristo (Hb 12.1,2) e mantendo nEle a nossa mais absoluta confiança e esperança. Não sejamos como aqueles que não conhecem ao nosso Salvador, porque antigamente éramos assim também, não tendo esperança e sem Deus no mundo (Ef 2.12).
Hoje temos uma viva esperança, aleluia (1Pe 1.3). Prossigamos destemidamente até encontrarmos o Deus da esperança (Rm 15.13), porque temos a esperança da vida eterna (Tt 3.7).
Romanos 12.12: “Alegrai-vos na esperança, sede pacientes na tribulação, perseverai em oração”.
Que assim seja em sua vida discípulo de Cristo. Para a glória de Deus Pai. Amém.

O Discípulo e as Bênçãos da Salvação

Das muitas, inumeráveis e abundantes reflexões que a Palavra de Deus proporciona a todos nós, discípulos de Cristo, está o que concerne...