sábado, 5 de janeiro de 2013

O legado do pietismo e do puritanismo para o discipulado cristão


O pietismo e o puritanismo foram dois movimentos que existiram no decorrer da história da Igreja de Cristo e dos quais muito pode o discípulo de Cristo aprender com o legado que nos outorgaram.

O pietismo, surgido nos séculos 17 e 18, foi o movimento de renovação que intentou completar a Reforma protestante iniciada por Martinho Lutero e tinha entre seus principais pensadores e líderes, clérigos luteranos. Entendiam que a reforma doutrinária iniciada por Lutero precisava ser seguida de uma nova reforma de vida. Não se transformaram em uma nova denominação protestante. Não introduziram doutrinas novas, nem alteraram as crenças do luteranismo alemão. O exemplo que nos vem deles se refere ao entendimento que, muito mais do que focalizar a natureza objetiva da salvação, ou seja, o que Deus faz pelas pessoas, concentraram-se no aspecto subjetivo, ou seja, o que Deus realiza dentro delas. Focaram o cristianismo interior e experimental. Para eles, a verdadeira piedade cristã, a devocionalidade, o discipulado e a santificação, começam com uma experiência distinta de conversão.

O puritanismo começou como um movimento de oposição ao anglicanismo, a Igreja da Inglaterra, no século 16. Entendiam que a Reforma Protestante na igreja inglesa não havia ido longe o suficiente, porque continuaram conservando muitos aspectos e práticas da Igreja Católica Romana. O movimento puritano batalhou pela simplicidade no culto ao Senhor e pela verdade bíblica e teológica. Para eles, o culto a Deus deveria ser simples, claro, iluminado, sem rituais e distrações humanas e construído ao redor da pregação da Palavra de Deus. Alto valor atribuíam à Bíblia como regra única de fé e prática e ao estudo da mesma. Tinham grande apreço pela verdade bíblica, colocando-a acima das questões de tradição e autoridade, bem como insistiam na liberdade de cada um servir a Deus da maneira como julgasse correto, muito embora alguns puritanos em seu zelo excessivo maculassem esse princípio, a maioria entretanto, enfatizou o respeito às consciências.

Como discípulos de Cristo hoje, podemos e devemos aprender com esses dois grupos e aplicar seus princípios ao nosso viver cristão. Diante dos perigos que nos rondam tais como o legalismo, o formalismo, o tradicionalismo, o denominacionalismo, o nominalismo, a falsa piedade, a graça barata no discipulado, o culto-show, o menosprezo da leitura e do estudo bíblicos, o misticismo neopentecostal, o liberalismo teológico e a superficialidade na vida cristã em geral, acredito que muitas lições nos sobrevirão desses dois grupos.

Aprendemos muito com a história da Igreja cristã. Ela tem a capacidade de ser nossa auxiliar no aprendizado em como andar com Cristo, eu disse "auxiliar" porque nunca é demais lembrarmos que nossa fonte primária ou primordial em tudo o que concerne ao nosso discipulado encontra-se nas Escrituras, principalmente nos evangelhos e nas epístolas do NT. Ressaltamos que não só os homens e mulheres das páginas da Bíblia eram pecadores, sujeitos a muitos erros em sua caminhada com o Senhor, como igualmente os homens e mulheres nesses dois mil anos de peregrinação da Igreja neste mundo, todos iguais a nós mesmos nestes nossos dias, pecadores e falhos em nosso compromisso cristão.

Porém, mesmo em face disto, muitas preciosas lições aprenderemos com os pietistas e puritanos. Aqueles com sua ênfase na verdadeira piedade, o cuidado com a devocionalidade diária, o discipulado autêntico e  vida de santidade transformadora, além de prezarem muito o contato uns com os outros em pequenos grupos de oração e estudo bíblico. Os puritanos nos ensinam a seriedade para com o culto a Deus sem os adereços da imaginação humana e a alta estima pela pregação e o estudo das Escrituras. Outros aspectos tanto de um como de outro movimento certamente encontraremos ao nos dedicarmos às publicações específicas que temos ao nosso dispor.

Gostaria pois de sugerir alguns títulos para que você, discípulo de Cristo, tenha um primeiro contato com o movimento pietista e com os puritanos. Sobre o pietismo, sugiro o livro Mudança para o Futuro - Pia Desideria de Philip Jacob Spener (Editora Encontrão) que é o livro por excelência do movimento, seu autor foi um dos principais líderes pietistas. O livro que recomendo em relação ao puritanismo é Santos no Mundo - O Puritanos Como Realmente Eram de Leland Ryken (Editora Fiel), um livro excelente que procura corrigir alguns falsos conceitos erigidos contra os puritanos. Um outro título é História da Teologia Cristã (Ed. Vida) de Roger Olson, onde nos capítulos 29 e 30 temos um relato condensado sobre quem foram pietistas e puritanos e sobre a visão teológica de ambos. É óbvio que outros títulos existem sobre esses grupos, mas deixo para você o prazer de pesquisar e encontrar.

Estou certo que muito proveito você encontrará nestas leituras, aproveite que ainda estamos no início de 2013 e procure conhecer melhor esses grupos que podem ajudar a enriquecer nossas vidas com o que eles tem a nos ensinar sobre como andar com Cristo. Não foram perfeitos, como nós mesmos não somos, mas eles tem algo a nos dizer nestes nossos dias. Os pietistas e sua teologia luterana e os puritanos em sua teologia reformada são riquíssimos em ensinamentos para todos os discípulos de Jesus Cristo, mesmo que (e esse é o meu caso) não endossemos ipsis litteris seus pontos de vista teológicos, o que de forma alguma lhes removerá os créditos. Quero lembrar que tanto de um movimento como de outro, somos todos herdeiros de uma  forma ou de outra . O que faço agora é conclamar a um maior conhecimento deles para o maior enlevo de sua vida espiritual.

Que ricamente você seja abençoado com toda sorte de bençãos espirituais servo de Deus, em Cristo Jesus!



O Discípulo e as Bênçãos da Salvação

Das muitas, inumeráveis e abundantes reflexões que a Palavra de Deus proporciona a todos nós, discípulos de Cristo, está o que concerne...