sábado, 28 de novembro de 2009

Cristãos amorosamente fraternos


"Se alguém diz: Eu amo a Deus, e odeia seu irmão,
é mentiroso. Pois quem não ama a seu irmão, ao
qual viu, como pode amar a Deus a quem não
viu? E dele temos este mandamento: que quem
ama a Deus, ame também a seu irmão."

1 João 4.20, 21

O amor fraternal na Igreja de Cristo deve ser altamente enfatizado. Isto porque, Jesus Cristo juntamente com os doze discípulos, priorizou esta verdade. Iniciando com os primeiros discípulos e chegando a nós hoje, a ordem do Senhor é uma só, que nos amemos uns aos outros, ouçamos as próprias palavras Dele: "Um novo mandamento vos dou: Que vos ameis uns aos outros; como eu vos amei a vós, que também vós uns aos outros vos ameis. Nisto todos conhecerão que sois meus discípulos, se vos amardes uns aos outros." (Jo 13.34, 35).

Como então alguém chega a ser reconhecido como discípulo de Cristo? Exatamente desta forma, amando a seu irmão em Cristo Jesus. O Senhor deixou claríssimo este ponto. Não há porque fazermos de forma diversa ao que Jesus ordenou. Devemos amar ao nosso irmão, igualmente seguidor de Jesus, igualmente discípulo como nós também o somos.

Eu confesso que tenho dificuldades para amar a meu irmão em algumas oportunidades. Quando este irmão me ofende, me hostiliza, me menospreza, me discrimina (sim, isto acontece na Igreja também, infelizmente!). Ou, quando eu mesmo assim faço, também tenho consciência de que ele terá dificuldades comigo. O que fazer então? A solução passa em estarmos obedientes ao que as Escrituras dizem para vivermos em harmonia com nosso semelhante, apesar de sermos quem somos, com nossas tendências pecaminosas.

O apóstolo Paulo, em Ef 4.2 diz-nos que devemos andar com toda humildade e mansidão, com longanimidade e suportando-nos uns aos outros em amor. Em Cl 3.13, ele fala da mesma maneira, para que suportemo-nos e perdoemo-nos mutuamente e revestindo-nos do amor que é, ele diz, o vínculo da perfeição.

O apóstolo Pedro em sua primeira epístola 1.22 ensina-nos que nossas almas são purificadas pelo Espírito na obediência à verdade, para o amor fraternal, não fingido. E ele ordena: "Amai-vos ardentemente uns aos outros com um coração puro." E em 3.8,9 ele ainda exorta a termos todos um mesmo sentimento, sendo compassivos, amando aos irmãos, entranhavelmente misericordiosos e afáveis e não tornando mal por mal ou injúria por injúria, mas bendizendo. E em sua segunda epístola, 1.5-7, falando sobre a prática das virtudes cristãs, cita o amor fraternal como uma dessas virtudes a serem cultivadas.

O apóstolo Tiago em sua epístola cap 4 verso 11 adverte para que não falemos mal uns dos outros.

O apóstolo João, além dos versículos em epígrafe, demonstra amplamente em sua primeira epístola, como devemos de fato amar ao nosso irmão, e que se isso não ocorre, ou seja, se o odiamos, ele é categórico em afirmar que estamos em trevas e estamos cegos, 2.10, quem não ama a seu irmão permanece na morte, 3.14 e é homicida, v. 15. Se não amamos ao nosso irmão e ainda dizemos que conhecemos a Deus, somos mentirosos, diz João em 2.4.

Portanto irmãos, somos amplamente admoestados para que pratiquemos o amor fraternal porque é um imperativo do Senhor. É evidente que em nosso caminho de discipulado, tropeçaremos neste aspecto tão importante, mas não devemos desanimar porque o Espírito Santo, conforme Fp 1.6 certamente completará sua boa obra em nós.

Finalizamos esta breve palavra citando ainda o apóstolo João: "Aquele que não ama não conhece a Deus; porque Deus é amor." (1Jo 4.8).

Que todos nós, sem exceção, possamos andar assim à semelhança de Deus. Fique no amor de Deus. Pratique o amor de Deus. Viva o amor de Deus. Amém.





domingo, 22 de novembro de 2009

Discípulo como Deus quer e não como eu quero


Passamos algumas semanas neste espaço a destacar as marcas de um discípulo autêntico conforme nos afiança a Palavra de Deus. Espero que de alguma forma você possa ter sido edificado com nossas reflexões.

Apesar de arrolarmos sete características, sete marcas, cremos que haveria muito mais a expormos, mas o Espírito Santo mesmo inspirará a outros servos de Deus para que tragam à lume outras expressões que caracterizam um seguidor de Jesus Cristo.

O discipulado cristão segue uma dinâmica que lhe é peculiar, isto porque nenhum de nós que nos identificamos com O Senhor Jesus podemos seguir-lhe segundo nossas próprias normas. É um absurdo e altamente improvável que, se você faz isso, ainda não tenha entendido o sentido do discipulado: "E qualquer que não levar a sua cruz, e não vier após mim, não pode ser meu discípulo" como disse o Senhor em Lc 14.27.

Portanto, hoje, mais do que nunca, precisamos seguir a Jesus de uma maneira adequada, que expresse realmente a obediência e o apreço devidos à Palavra de Deus. Há muitos que se dizem cristãos, crentes, discípulos, seguidores mas que fazem da sua vida cristã exatamente isto: Sua vida cristã. Ou seja, a vida que vivem ainda é deles e não de Cristo conforme Paulo expressou em Gálatas 2.20: "Já estou crucificado com Cristo; e vivo, não mais eu, mas Cristo vive em mim; e a vida que agora vivo na carne, vivo-a na fé no filho de Deus, o qual me amou, e se entregou a si mesmo por mim." Isto significa de maneira clara que, se vivemos, vivemos em Cristo. Não temos mais que obedecer aos valores da vida antiga em que vivíamos.

Deus é tolerante e continuará a aguardar até que entendamos pelo Seu Espírito que, para agradá-lo, é necessário humildade no reconhecer a dependência e a entrega total a Ele.

Hoje deixo a você, servo de Cristo, esta palavra que primeiramente falou a mim e desejo que igualmente fale com você.

"Porque o que é chamado pelo Senhor, sendo servo,
é liberto do Senhor. e da mesma maneira também o
que é chamado sendo livre, servo é de Cristo.
Fostes comprados por bom preço; não vos façais
servos dos homens."

1 Coríntios 7.22,23

Que Deus te abençoe ricamente, a Paz do Senhor para você!

sábado, 14 de novembro de 2009

Marcas de um Discípulo Autêntico: Liberdade (7)


Muito prezada em todo ocidente, a liberdade é a sétima marca do discípulo autêntico de Jesus Cristo que passaremos a discorrer agora. O apóstolo Paulo afirma em 2 Coríntios 3.17: "Ora, o Senhor é Espírito; e onde está o Espírito do Senhor, aí há liberdade." Como templo do Espírito Santo, o crente em Jesus possui um privilégio grandioso pelo fato sublime de ser morada do Espírito de Deus, possui liberdade plena em sua vida. Esta liberdade é um sentimento de paz e de segurança por saber de que ele, discípulo de Jesus, não é e não pode ser tiranizado nem por sua natureza pecaminosa, nem por outras pessoas ou o sistema de mundo que o rodeia, nem por Satanás, seu grande inimigo.

É uma marca distintiva do cristão porque éramos de fato escravos do pecado e de Satanás, que como diz o escritor aos Hebreus cap. 2 versos 14 e 15, estávamos sujeitos à servidão por medo da morte, sendo o diabo o que tinha o império da morte. Por isso, nos infundia terror e nos escravizava, portanto. Mas o divino libertador, Jesus Cristo, conforme Lucas 4.19, nos libertou, aleluia.

De maneira que, hoje, conforme mais uma vez, Paulo, em Gálatas 5.13 afirma, fomos chamados à liberdade, mas devemos nos precaver para que não usemos desta liberdade para dar ocasião à carne e esta preciosa dádiva se torne então em libertinagem. Ainda o mesmo apóstolo nos exorta de maneira magistral em 1 Coríntios 7.21-23 de que por meio de Jesus, fomos chamados para sermos libertos, o contexto em que foi escrita esta epístola era o do Império Romano onde havia a instituição da escravidão, então Paulo informa que, mesmo sendo escravo, todavia o crente era livre no Senhor, e o que era chamado pelo Senhor, sendo livre, tornava-se servo de Cristo.

O verso 23 é vertido desta maneira na Almeida Corrigida Fiel: "Fostes comprados por bom preço; não vos façais servos dos homens." Desta maneira, creio que todo discípulo de Jesus, deve meditar muito nesta passagem porque não devemos nos deixar enredar e ser escravizados por opiniões de homens, mesmo homens que podem ser nossos líderes na Igreja, porque o nosso compromisso antes de tudo, é com Jesus Cristo e Sua Palavra. Há muitos hoje nas igrejas que estão acorrentados a opiniões, muitas delas não condizentes com a verdadeira Palavra de Deus, e assim a liberdade que temos em Cristo fica aviltada por causa deste lamentável estado de coisas.

Que você possa então pensar na preciosidade de sua liberdade em Cristo. Com a palavra mais uma vez, o apóstolo dos gentios: "Mas agora, libertados do pecado, e feitos servos de Deus, tendes o vosso fruto para santificação, e por fim a vida eterna" (Rm 6.22).

Agora, fomos chamados e libertados por Deus, e vivendo esta vida plena de liberdade produzimos o fruto do Espírito: amor, alegria paz, longanimidade, benignidade, bondade, fé mansidão e domínio próprio (Gl 5.22) . Somente o autêntico discípulo de Jesus produz este fruto exatamente porque está sob a liberdade que Deus mesmo por meio de Cristo lhe proporcionou.

Meu irmão, minha irmã, tenha uma vida plena na liberdade do Espírito Santo. Não se acorrente a ideologias humanas, até às suas próprias. Se você é um autêntico discípulo de Cristo, saiba que é um liberto, não mais escravo. Deus te abençoe e tenha uma ótima semana na liberdade dos filhos de Deus.

domingo, 8 de novembro de 2009

Marcas de um Discípulo Autêntico: Louvor e Ação de Graças (6)


O louvor e as ações de graça são marcas do discípulo que trataremos como uma só nesta ocasião. O texto inspirado de Hb 13.15 diz: "Portanto, ofereçamos sempre por ele a Deus sacrifício de louvor, isto é, o fruto dos lábios que confessam o seu nome."

Por causa do sacrifício perfeito de Jesus pelos nossos pecados, temos a obrigação e o privilégio de oferecer o sacrifício de louvor, de agradecimento, de nossos lábios a Deus. As ações de graça ou a gratidão assim como o o louvor fazem parte inseparável da vida do discípulo de Cristo sendo reconhecida também como uma de suas marcas distintivas.

Jesus ensinou-nos, na oração modelo do Pai Nosso (Mt 6.9-13) de que devemos abrir a porta da vida de oração com louvor: "Pai nosso, que estás nos céus, santificado seja o teu nome; Venha o teu reino, seja feita a tua vontade." E Ele fechou a porta de oração com louvor: "Porque teu é o reino, e o poder, e a glória, para sempre. Amém." Isto porque, tanto ao entrarmos como ao saírmos de nosso lugar de oração estaremos focando unicamente a Deus.

Este ensinamento de Jesus sobre o louvor e a gratidão aponta para duas verdades inabaláveis. Em primeiro lugar, o louvor é a resposta à grandeza de Deus e em segundo lugar a gratidão ou ação de graças é a resposta à bondade de Deus. Ambos, louvor e gratidão estão intrinsecamente relacionados. Como discípulo de Jesus Cristo e à semelhança d'Ele, devo expressar plenamente em toda minha vida e em tudo o que eu fizer, o louvor e as ações de graças devidas a Deus.

O Senhor Jesus afirmou que devemos ser como crianças para herdarmos o Reino de Deus. E quando entrava triunfalmente em Jerusalém cf Mt 21.16, Ele disse, fazendo eco com Sl 8.2 que da boca das crianças é que vinha o perfeito louvor. Portanto, nós, numa vida de humildade, de entrega, de total submissão ao nosso Pai Celestial, como crianças que confiam plenamente em seu pai, poderemos expressar este perfeito louvor que será aceitável a Deus.

O discípulo de Jesus sempre deverá ter um coração grato. Por tudo que Ele realizou por nós e continua a realizar em nós. Não é possível ser seguidor de Jesus e ser um ingrato, um mal-agradecido. Isto demonstra que não reconhecemos o que Ele tem feito em nossa vida. Note os dez leprosos que foram curados (Lc 17.11-19), somente um voltou a Jesus para glorificar a Deus, expressando desta forma sua gratidão pela saúde restaurada.

Assim, que possamos ser como Davi, que disse no Salmo 50.23: "Aquele que oferece o sacrifício de louvor me glorificará." O livro de Salmos é uma demonstração contínua de louvor e ação de graças a Deus que o Espírito Santo inspirou para que vivamos integralmente nesta dimensão em todo nosso viver porque verdadeiramente Deus é digno de louvor.

Apocalipse 5.12,13: "Que com grande voz diziam: Digno é o Cordeiro, que foi morto,de receber o poder, e riq uezas, e sabedoria, e força, e honra, e glória, e ações de graças. E ouvi toda a criatura que está no céu, e na terra, e debaixo da terra,e que está no mar, e a todas as coisas que neles há, dizer: Ao que está assentado sobre o trono, e ao Cordeiro, sejam dadas ações de graças, e honra, e glória, e poder para todo o sempre."

Que você possa considerar isso em seu coração discípulo de Cristo, Amém!

O Discípulo e as Bênçãos da Salvação

Das muitas, inumeráveis e abundantes reflexões que a Palavra de Deus proporciona a todos nós, discípulos de Cristo, está o que concerne...