quinta-feira, 28 de outubro de 2010

Em busca do silêncio para ouvir a Deus


Em entrevista publicada na revista Galileu deste mês, George Prochuik, autor do livro In Pursuit of Silence diz que há um déficit de silêncio em nosso cotidiano. E estamos, segundo ele, com um grande distúrbio de atenção relacionado com todo esse ruído esquizofrênico. Prochuik defende que temos de buscar mais silêncio para nossas vidas visto que o barulho afeta nosso modo de pensar. E decisões sociais, emocionais e profissionais são prejudicadas por causa dos ruídos.

Diante destes fatos, fiquei a pensar sobre a importância de buscar ou cultivar o silêncio a fim de poder ouvir a voz de Deus. Elias no monte Horebe, ouviu o som de um forte vento, sentiu e ouviu o ruído de um terremoto e também ouviu o forte crepitar de labaredas de fogo. Em todas estas manifestações com provavelmente alguns altos decibéis de som, o Senhor não se encontrava. Somente depois, no silêncio, é que Elias ouviu ao Senhor falando com uma voz mansa e delicada (2 Re 19.11,12).

A vida em nossas cidades modernas conspira contra uma ambiência de silêncio que muitas vezes nos impede de cultivar a presença de Deus. A Bíblia, na versão Almeida Revista e Corrigida diz: "Eu amo aos que me amam, e os que de madrugada me buscam me acharão" (Pv 8.17). A sabedoria personificada, ou seja, o próprio Deus, fala que será achada se buscada na madrugada, ou seja, bem cedo onde os ruídos do dia ainda não iniciaram seu habitual cortejo.

Buscar ao Senhor nas manhãs silenciosas geralmente é um momento ímpar que não pode ser desprezado pelo servo de Cristo. Assim, ele deve, sempre que possível, dedicar estas primeiras horas do dia na Santa Presença do Senhor. Na senda do discipulado, deveremos dar a máxima importância, ou a prioridade elementar para a comunhão com o nosso Senhor. Se vamos aprender aos pés de Cristo, isto se dará se lhe dermos toda a nossa devida atenção. Sem ruídos ou outros fatores que possam estorvar este momento sem igual.

Na sociedade hodierna como bem frisou George Prochuik, temos um déficit de silêncio. O cristão deve também combater esta tendência perniciosa que o aflige como tantas outras coisas que nos dias atuais conspiram contra o genuíno relacionamento com o Senhor Deus. Se nos submetermos verdadeiramente a Ele, acredito que Sua graça atuará no sentido de termos a nossa chamada "hora silenciosa" com qualidade e regularidade.

Reconhecemos entretanto que em muitos contextos poderá o cristão ter alguma dificuldade para ter silêncio ao seu redor e buscar devidamente ao Senhor. Nesse caso, convém que ele entenda que deverá reorganizar sua agenda e seus horários para poder buscar a Deus, nem que tenha de afastar-se de sua moradia, sair para um lugar retirado (pode ser o próprio templo onde congrega ou lugares mais afastados e que sejam minimamente seguros).

Jesus tinha predileção por lugares isolados e afastados da multidão para buscar o Pai a sós. Sua vida de oração é o grande exemplo para todos nós, seus discípulos. Eu creio na importância dessa prática, a oração em lugares retirados. Afinal, é em silêncio, é em solidão, é no encontro a sós com o Pai que poderemos ouvir verdadeiramente Sua voz, assim como Elias ouviu.

Não caia mais nas armadilhas da vida moderna. Na Idade Média, nos mosteiros, os monges ou qualquer outro que quisesse, encontraria um lugar ideal para meditar e orar em silêncio. Não se deixe iludir pelos "agitos" de muitos de nossos cultos. Certamente, celebrar a Deus em um culto animado é desejável. Mas já não vejo da mesma forma quando uma igreja ou denominação não pratica, não ensina e nem proporciona aos seus membros a ambiência ideal para o cultivo de uma espiritualidade mais profunda que necessariamente demandará vida de oração dedicada, meditação nas Escrituras, e tudo isto em um adequado momento ou ambiente. Tornou-se tão pragmática a vida do crente nos dias atuais que ele desaprendeu (se é que um dia sabia disso) a orar e meditar na Presença de Deus se não for num ambiente de total agito e que muitas vezes é irreverente e muito pouco acrescenta ao seu crescimento na comunhão com Deus.

Discípulo de Cristo tenha a postura adequada para ouvir a voz de seu Mestre. Busque-o e não tenha medo de estar em silêncio em Sua amorável presença. Dê todo o seu desprezo aos agitos que querem nos afastar dos momentos gloriosos de silêncio e contemplação na presença do Pai. Que em Deus você encontre a cura para o distúrbio de atenção que já pode ter lhe afligido por causa dos ruídos da vida moderna.

Que o Senhor se agrade de ti e que você se deleite n'Ele. Guarde em seu coração as palavras de Jeremias: "Bom é ter esperança, e aguardar em silêncio a salvação do Senhor" (Lm 3.26).

Em o Nome de Jesus, amém e amém!

2 comentários:

Horizonte Cristão disse...

16101977Realmente quando há silêncio conseguimos concentrar no propódisto de orar e ouvir o que Deus quer nos dizer. Na falta deste, corremos o risco de não ouvir a voz suave do nosso Senhor. Orar na madrugada é sem duvida a melhor hora de sentirmos a presença maravilhora do nosso Deus. Contudo, não podemos nos recuar as nossas orações quando não há silêncio, temos que perseverar e nosso Bom Senhor com serteza irá nos abençoar. Glorias a Ele.

MiChael Jonathan disse...

GLORIA A DEUS! Que palavra tremenda! Realmente temos que ficar a sós com Deus às vezes,contar coisas a Ele, que os outros não entenderiam. O mais lindo eh que pra Deus,não precisamos nem sequer dizer uma palavra. Na presença de Deus,há um momento em que nós falamos,e no outro temos que dar à voz a Ele, senão vira um monólogo. É que temos mania de falar pelos cotovelos. Hehehe.