quarta-feira, 17 de março de 2010

4 atitudes fundamentais para o discípulo de Jesus


A primeira atitude a ser considerada pelo seguidor de Jesus Cristo é que ele deve ser guiado pelo Espírito Santo (Rm 8.14).

Se o crente não é guiado pelo Espírito de Deus, ele caminha sem saber para onde vai. Seus passos sempre estarão resvalando nos perigos do caminho e ele pode até cair. Ser guiado pelo Santo Espírito é fundamental para a vida de todo aquele que nasceu de novo. Em sua vida de outrora, ele caminhava de acordo com seus apetites carnais. Mas agora, tudo se fez novo em sua vida (2 Co 5.21) e ele já não anda de acordo com seus próprios pensamentos mas anda conforme a vontade Deus.

A segunda atitude é que o discípulo de Jesus Cristo sempre se esforçará para trilhar pelo caminho estreito (Mt 7.13,14).

Ele entra pela porta estreita e segue por um caminho apertado. Seguir a Jesus nunca foi fácil. De fato, não seguir a Ele significa verdadeiramente ter passado por uma porta larga e estar seguindo por um caminho largo. É muito mais fácil. É muito mais cômodo. Não há exigências, basta seguir. A opção mais difícil, que é o caminho estreito, poucos há que a palmilham. Mas o crente prossegue para o alvo (Fp 3.13,14) sabendo que o prêmio do Senhor o aguarda.

A terceira atitude do cristão é que seu coração está ligado nas coisas que são do alto (Cl 3.1,2).

Uma mente cristã deve necessariamente estar totalmente voltada para as coisas que são de cima. Isto não significa que ele será um alienado e só pensará no céu enquanto ele, como servo de Cristo, tem uma missão a cumprir na terra. Significa que o fluxo inteiro de seus pensamentos, intenções, motivações, planos, reflexões está naquilo que é agradável a Deus (Fp 4.8). Assim, mesmo vivendo cá embaixo, ele viverá como se estivesse lá em cima.

A quarta atitude é tomar a cruz e seguir a Jesus (Lc 14.26, 27).

Muitos poderão perguntar: O que de fato significa tomar a cruz? A cruz que tomamos é aquela adversidade extra que nos sobrevêm pelo fato de sermos seguidores de Cristo. É a afronta que poderemos sofrer e de fato sofremos de uma forma ou de outra porque ousamos levar a ignomínia, a vergonha, a desonra, o opróbrio, o vitupério que Ele levou (Hb 13.12,13). Nossa identificação com Jesus Cristo de fato implica em levarmos esta cruz. Pode ser que de fato amemos mais a Jesus que a nossos parentes (Lc 14.26), mas não seremos considerados discípulos se não levarmos também a nossa cruz (v. 27).

É preocupante que muitos cristãos hodiernos não estejam enquadrados em uma ou outra atitude que apontamos aqui. Todavia, hoje ainda, o Espírito de Deus quer te guiar, e, ao fazer isto, Ele testemunhará a ti para que permaneças somente no caminho estreito, para que seu coração esteja inteiramente ligado às coisas do alto, para que tomes tua cruz e sigas de fato a Jesus.

Querido e amado discípulo e irmão, esta é minha palavra para sua reflexão nesta semana. Fique na paz do Senhor, Amém!

Nenhum comentário:

O Discípulo e as Bênçãos da Salvação

Das muitas, inumeráveis e abundantes reflexões que a Palavra de Deus proporciona a todos nós, discípulos de Cristo, está o que concerne...