Discípulos de Cristo em meio a uma sociedade hedonista


Não é desconhecido de nenhum cristão o fato de que a presente sociedade em que vive é voltada para satisfação de seus prazeres imediatos. E também que mesmo no âmbito da igreja cristã existem muitos que advogam uma vida cristã aprazível, onde não haja dores, sofrimentos e males de qualquer espécie. O prazer seria o princípio maior a governar suas vidas. A finalidade da existência em todos os seus variados aspectos seria o seu desfrute máximo sem dores ou sofrimentos. A isto dá-se o nome de hedonismo. É a inclinação de buscar o prazer imediato, individual, como única e possível forma de vida moral, evitando tudo o que possa ser desagradável. Prazer pelo prazer.

O hedonismo conspira contra o discipulado autêntico em Cristo que deveremos vivenciar. Isto porque ser um seguidor fiel de Jesus terá implicações que nos levarão para longe do que o hedonismo preconiza. Sofrimentos, perseguições, zombarias, xingamentos e rejeições esperam a todos que piamente desejam seguir a Cristo Jesus (2Tm 3.12). No primeiro versículo o apóstolo Paulo nos informa: "Sabe, porém, isto: que nos últimos dias sobrevirão tempos trabalhosos" ("tempos difíceis" ARA). Se a realidade que nos circunda então, nestes últimos tempos é mesmo dessa forma, como esperar uma vida cristã como se estivéssemos "deitados em um berço esplêndido?"

É potencialmente destrutiva à fé cristã a ideia do prazer à todo custo. Ou do prazer como o bem supremo da vida. Em si, a ideia do prazer não é algo pecaminoso. Todos nós desejamos experimentá-lo. A gratificação prazerosa de nossos sentidos não se constitui em algo mau. Porém, o hedonismo enquanto filosofia de vida do ser humano, viver somente para o prazer, para gratificar os sentidos, buscar o prazer custe o que custar, isso sim é degradante, é mau e é pecaminoso.

É incompatível essa filosofia de vida com o verdadeiro discipulado cristão. O discípulo de Jesus encontrará o prazer em exatamente seguir as pisadas de seu Mestre. Em ser-Lhe fiel. Em se abster dos maus desejos da natureza humana, em deixar a vontade de ter o que agrada aos seus olhos e subjugar o orgulho pelas coisas da vida (1Jo 2.16 NTLH). 

O mundo realmente considera o prazer como o valor maior da vida. A cultura de nossa sociedade é voltada para a busca do prazer em todos os níveis. Isto acaba influenciando o discípulo de Cristo e a Igreja como um todo.   Mas o Espírito de Deus continua a nos chamar, continua a instar conosco para que sigamos as pisadas de nosso Senhor Jesus Cristo e sejamos contraculturais em nossa maneira de viver (1Pe 1.15,16).

"Porque, segundo o homem interior, tenho prazer na lei de Deus" (Rm 7.22) disse o apóstolo Paulo.  O salmista Davi também disse: "Deleito-me em fazer a tua vontade, ó Deus meu; sim, a tua lei está dentro do meu coração" (Sl 40.8). De fato, o verdadeiro prazer que um discípulo de Jesus Cristo encontrará e que é incomparável aos prazeres mundanos e carnais, é o prazer em obedecer a Palavra de Deus. E Jesus é o nosso maior exemplo. Como seus discípulos, aprendemos que Ele mesmo se deleitava em fazer a vontade do Pai. Este salmo de Davi é um salmo messiânico e demonstra o quanto Jesus amava e se deleitava em ser-Lhe obediente.

Por isso que o discipulado requer uma transformação diária em nossa forma de pensar (Rm 12.2). Se isso não estiver presente enquanto caminhamos com nosso Mestre, continuaremos a devotar maior valor à satisfação dos apetites de nossa carne. Continuaremos a gratificar o nosso ego. E nisso, já estará descaracterizado nossa vida enquanto discípulos porque uma marca essencial do seguidor de Jesus é a renúncia pessoal (Mt 16.24; Mc 8.34; Lc 14.26,27).

Não estamos com isso querendo dizer que a vida cristã é uma vida cheia de restrições, proibições, sem alegrias ou que não podemos ter momentos de lazer e recreação (e isso é prazeroso sim). Isto seria ascetismo e legalismo e são igualmente pecaminosos. O que deixamos claro nessa reflexão de hoje é o devido cuidado para não nos deixarmos contaminar por uma filosofia que contempla a busca imediatista do prazer e a supressão de toda dor ou sofrimento como a finalidade do homem nessa vida.

Deus mesmo e seus mandamentos proporcionam aquilo que nada dessa vida pode substituir. Prazer em ser-Lhe fiel nessa vida e a bem-aventurança da eternidade, vivendo para sempre e sempre em Sua gloriosa Presença.

Que você, discípulo de Cristo, tanto quanto eu mesmo, possamos nos apropriar desse gozo inefável, desse prazer inigualável em seguir ao Senhor, mesmo em meio a lutas, sofrimentos e provações. Estamos em um mundo afetado pela Queda e é ilusão pensar que nosso caminho de discipulado estará isento destas coisas. Mas confiemos porque o Senhor por meio de Seu Santo Espírito está conosco todos os dias. Que Deus grandemente te abençoe.  
  

     


Comentários

LUARAUJO disse…
PARABÉNS IRMAÕ ,É BOM LER SOBRE AS MARAVILHAS DE DEUS ,O MUNDO PRECISA MUITO DE AJUDA ESPIRITUAL E SÓ CRISTO PRA FAZER A MUDANÇA.PARABÉNS CONTINUE ASSIM .
Obrigado e que o Eterno continue abençoando sua vida!

Postagens mais visitadas deste blog

O legado do pietismo e do puritanismo para o discipulado cristão

O embaraço e o pecado na vida do discípulo

Quando Deus quer nos falar, Ele nos leva ao deserto