domingo, 21 de agosto de 2011

O discipulado que não impõe um jugo


"Agora, por que quereis colocar Deus à prova, impondo aos discípulos um jugo que nem nossos pais nem nós podemos suportar?"

(Atos 15.10 - Almeida Séc. 21)


O discipulado que não impõe um jugo é aquele que respeita a individualidade do ser humano. O discipulado que não impõe um jugo, é aquele que considera as pessoas em sua cultura própria, de origem. O discipulado que não impõe um jugo, é aquele que não faz apologia de doutrinas humanas. O discipulado que não impõe um jugo honra ao Senhor exatamente porque não promove ideologias humanas em detrimento da pureza da Palavra de Deus para o crescimento sadio do discípulo de Jesus Cristo.

A igreja de Jerusalém retratada em Atos 15, convocou uma reunião para tratar do problema que havia surgido pelo fato de que, na igreja situada em Antioquia, alguns da seita dos fariseus, que haviam crido (v.5), oriundos de Jerusalém, estavam ensinando àqueles irmãos de origem gentia de que se eles não se circuncidassem segundo a lei de Moisés, não poderiam ser salvos.

Isto imediatamente provocou a reação adversa de Paulo e Barnabé, posto que não aceitaram esta imposição sobre os irmãos gentios. Assim, resolveram eles juntamente com os chegados da Judéia, irem até a igreja em Jerusalém para discutirem a questão. E, sob a direção do Espírito Santo, tendo a coordenação do apóstolo Tiago, irmão do Senhor, líder da igreja, chegaram a um entendimento equilibrado e sábio do problema. Tiago então se pronuncia: "Por isso, penso que não se deve perturbar os que dentre os gentios se convertem a Deus, mas escrever a eles que se abstenham das contaminações dos ídolos, da imoralidade, da carne de animais sufocados e do sangue" (At 15.19,20).

Após a palavra do apóstolo Pedro, explicando que Deus não fez distinção alguma entre eles, judeus de origem e os gentios, ao conceder-lhes o dom do Espírito Santo e a purificação de seus corações (15.7-9), exorta a não colocarem um jugo nos crentes gentios e afirma categoricamente que eles, judeus, haviam sido salvos pela graça de Deus, assim como igualmente os gentios (9-11). Passa em seguida a palavra para Barnabé e Paulo que relatam quantos milagres, feitos extraordinários e sinais Deus operara por meio deles quando pregavam o Evangelho entre os gentios (12). E, finalmente, é a vez do líder da igreja em Jerusalém, Tiago, que cita a palavra de Pedro e reporta-se às palavras do profeta Amós (16-18; Am 9.11,12) para em seguida recomendar que se escrevesse uma carta aos cristãos gentios de Antioquia, tranquilizando-os de uma vez por todas sobre essa questão.

Estabelece-se aqui então para as igrejas de todas as épocas e etnias a sua desobrigação de obedecerem a mandamentos humanos. O próprio Senhor Jesus, no cap. 15 de Mateus e também no cap. 7 de Marcos, repreende aos fariseus porque teimavam em guardar ciosamente mandamentos humanos em detrimento da própria Palavra de Deus. Eles continuamente invalidavam os mandamentos divinos para obedecerem às tradições e preceitos puramente humanos.

Assim, um discipulado que se caracterizar em impor opiniões sobre usos e costumes, não respeitando as peculiaridades das pessoas, está fadado ao fracasso. Tornar-se-á algo insuportável, enfadonho. A liberdade que temos em Jesus e a consequente alegria que isto gera em nossos corações, é substituída pela tristeza em carregar um fardo pesado de imposições humanas.

Fomos chamados para seguir a Jesus Cristo. Não fomos chamados para guardar mandamentos humanos. Que se maquilam de mandamentos divinos, mas são desmascarados pela opressão gerada sobre as pessoas assim como aconteceu aos cristãos da igreja em Antioquia.

Creio firmemente, respaldado pelo testemunho bíblico, de que é possível um discipulado saudável. Que priorize acima de tudo o conselho de Deus para gerar o crescimento desejável na vida de cada um. O apóstolo Paulo declarou, ao despedir-se dos presbíteros em Éfeso, seus discípulos, que nunca deixara de lhes anunciar todo o conselho, ou desígnio, ou propósito de Deus para as vidas deles (At 20.27).

Esse é o verdadeiro discipulado que deveríamos praticar. O discipulado pela Palavra de Deus. E que não subjuga as pessoas a ordenamentos e preceitos humanos, mas prioriza o ensino dos conteúdos bíblicos, dos princípios de Deus, que realmente geram crescimento em Cristo e crescimento de qualidade.

Irmão amado, seja discípulo fiel do Senhor e dê o devido lugar à Bíblia em seu crescimento. Cuidado com aqueles que querem lhe impor um jugo, uma prisão. Aceite somente o que vem de Deus, conforme Sua sacrossanta e eterna Palavra. Cuidado para, estando já em Cristo, tornar a se meter em jugo de servidão. Por isso é que Paulo escreveu aos crentes da Galácia, que passaram pelo mesmo problema, leiamos: "Estai, pois, firmes na liberdade com que Cristo nos libertou, e não torneis a colocar-vos debaixo do jugo da servidão" (Gl 5.1).

Que você tenha uma semana abençoada n'Ele. Amém!

2 comentários:

Leo Almeida disse...

A paz do Senhor.

Parabéns pelo blog!

Para consolidar ainda mais a nossa parceria, queria lhe convidar a

fazer parte do grupo "blogs evangélicos" no site de divulgação 2leep.
Cadastrando seu blog no grupo, seus posts serão apresentados nos

outros blogs e vice-versa.

Todos os detalhes neste link:

http://rochaferida.blogspot.com/2011/08/convite-todos-os-blogueiros-ev

angelicos.html#axzz1Up3yh48C

Léo Almeida
rochaferida.blog

Observatório Teológico disse...

Graça e Paz, creio que já fizemos essa parceria amado irmão, já me cadastrei no 2leep. Que Deus abençoe sua vida e ministério.

O Discípulo e as Bênçãos da Salvação

Das muitas, inumeráveis e abundantes reflexões que a Palavra de Deus proporciona a todos nós, discípulos de Cristo, está o que concerne...