domingo, 25 de novembro de 2012

O discípulo e sua segurança em Cristo


Todos nós que temos crido em Jesus Cristo para o perdão de nossos pecados, que obtivermos acesso à graça desta salvação gloriosa, que passamos a ser morada do Espírito de Deus, certamente temos a segurança de que esta obra tem fundamentos eternos e estáveis.

Por isto, todo discípulo de Cristo, deverá cultivar seu relacionamento com o Senhor de maneira cada vez  mais profunda e constante, porque Satanás tudo fará para roubar de nosso coração, a certeza do que temos ouvido e crido. Não deveremos subestimar o poder do diabo em tentar nos afastar da graça de Deus em nossas vidas.

Neste exato momento, estaria você seguro de sua posição em Cristo? Estaria seguro de que a obra de que Ele executou é de uma vez para sempre? E que com isso Ele pode perdoar seus pecados, passado, presente e futuro?

Exatamente assim deve caminhar o discípulo de Jesus. Com segurança. Com a cabeça erguida. Sabendo que seus pecados foram perdoados e purificado ele foi de todas as suas iniquidades pelo precioso sangue do Senhor Jesus. É efetivamente este sangue que nos purifica de todo pecado (1 Jo 1.7).   

O diabo sabe que pode alcançar vantagem contra o discípulo de Jesus, se levá-lo a cair em tentação. Se fizer com que ele dê mais atenção aos seus apetites carnais, se fizer que, por algum momento, ele abandone o temor do Senhor e se entregue aos devaneios pecaminosos que estão em seu íntimo. Conseguindo assim seu intento, ele, o diabo, se regozijará na agonia do discípulo de Cristo, que pode entrar em um estado semelhante ao do apóstolo Pedro quando negou ao Senhor, que chorou amargamente pela iniquidade que cometera e deixou sua vocação, seu chamado para ser pescador de almas e voltou ao seu barco para ser o velho Pedro, pescador por profissão.

Mais perigoso ainda é se o discípulo de Jesus se tornar semelhante a Judas Iscariotes, que vendeu a Jesus por trinta moedas de prata. Na verdade, pode-se considerar que Judas vendeu sua própria alma a Satanás ao permitir tal cobiça em seu coração, ao amar mais o ganho, o lucro, do que sua salvação em Cristo, ao trocar algo infinitamente superior e eterno pelas ninharias malditas do diabo. 

Pedro, em que pese seu desvio temporário, ainda encontrou lugar de arrependimento, o Senhor Jesus ressurreto o procurou e o restaurou (Jo 21.15-19). Porém quanto a Judas, seu mergulho no pecado e no amor aos valores do mundo, foi infelizmente muito profundo. Tão intenso foi seu desvario carnal, que os evangelhos não relatam ter ele procurado a Jesus para demonstrar arrependimento e ser restaurado (creio piamente que Jesus assim o faria), mas precipitou-se ainda mais no caminho da auto-perdição vindo finalmente a suicidar-se (Mt 27.3-10; At 1.16-18).   

Por isso, devemos ter o cuidado em nosso andar diário com Jesus. O discípulo de Cristo deve ter o cuidado extremo para não dar lugar ao pecado em sua vida. Deve se arrepender se vier a pecar, deve procurar reconciliar-se depressa com o Senhor, deve viver uma vida consagrada e atentar para a palavra que Jesus mesmo disse: "Vigiai e orai, para que não entreis em tentação; na verdade, o espírito está pronto, mas a carne é fraca" (Mt 26.41).

O discípulo está seguro em Cristo quanto à sua salvação eterna. Ele tem o testemunho claro do Espírito Santo de que agora é filho de Deus e, portanto, deve estar ciente de que esta filiação é sinônimo de segurança de sua salvação eterna (Jo 5.24; Rm 8.14-17). Todavia, pelo que foi exposto supra, é necessário o cuidado com nossa vida em Cristo aqui nesta terra porque somos assolados a todo instante pelo pecado (Hb 12.1). Muitas recomendações nos são dadas na Palavra de Deus para que nos cuidemos em nosso andar diário com o Senhor a fim de não "sejamos endurecidos pelo engano do pecado" (Hb 3.13).   

Discípulo de Jesus, tens a segurança de sua salvação eterna no Senhor. Mas muito cuidado é necessário na caminhada por este mundo. Aqui somos peregrinos e forasteiros (1 Pe 2.11) pelo que devemos nos abster das paixões carnais que guerreiam contra nossa alma (idem).

Discípulo de Cristo, deves operar ou desenvolver a tua salvação com temor e tremor (Fp 2.13). Mas também lembres que é Deus quem efetuará ou operará em ti tanto o querer como o realizar segundo a sua boa vontade (idem). Viverás em santidade procurando buscar ao Senhor em oração e em leitura, meditação e prática de Sua Palavra. Mas também, o Espírito Santo continuará a boa obra que está em curso na tua vida (Fp 1.6) até o dia em que Jesus mesmo vier nos buscar.

Que o Senhor da glória te abençoe ricamente. Que possas crescer em Cristo a cada dia. Que o diabo, o mundo e a sua própria natureza carnal não lhe afastem jamais da beleza que é viver em amor ao Senhor, temendo ao Seu Nome, porque este é o nosso dever (Ec 12.13). Amém!

  

2 comentários:

Otoniel M. de Oliveira disse...

Shalom, meu querido irmão em Jesus Cristo...esse artigo faz-me lembrar de alguns amigos que acreditam na segurança eterna daquele que se entrega a Jesus, mesmo vivendo dissolutamente. Eu acredito no que escreveste aqui: precisamos zelar da nossa salvação, porque Deus não poupou nem mesmo os anjos. A salvação é um artigo de luxo, caro, mas disponível aos que creem em Jesus e vivem de acordo com o que está escrito nas Santas Escrituras.

Observatório Teológico disse...

Obrigado meu amado Otoniel pelo comentário e de fato devemos ser zelosos no que concerne à nossa salvação em Cristo Jesus, grande abraço!