sábado, 25 de junho de 2011

Para não deixar emagrecer nossas almas......




Salmo 106.14,15: "Mas deixaram-se levar à cobiça no deserto, e tentaram a Deus na solidão. E ele lhes cumpriu o seu desejo, mas enviou magreza às suas almas."

O povo de Israel que saiu do Egito, que fora liberto com mão forte e braço estendido por Deus, cedo esqueceu as obras do Senhor (Sl 106.13). Cometeram iniquidade, andaram perversamente (v.6). Este povo esqueceu das muitas misericórdias do bom Deus e também não entenderam plenamente Suas maravilhas realizadas no Egito, pelo contrário, provocaram-no no Mar Vermelho (v.7).

Após o grande livramento, após passarem a pé enxuto pelo leito do mar e verem os egípcios mortos na praia (Êx 14.30), cantaram e creram no Senhor (Sl 106.12), mas como os versículos que encabeçam este texto, foram seduzidos por sua própria cobiça (Tg 1.14,15). Deus ouviu as murmurações e viu as rebeliões dos israelitas, de tentarem voltar ao Egito e atendeu-lhes os pedidos reiterados por comida e por água. Mas isso fez definhar-lhes a alma (Sl 106.15 na versão Almeida Revista e Corrigida).

O que nós, discípulos de Cristo Jesus, podemos aprender com tudo isso? O primeiro fato que quero destacar é de que não somos diferentes dos israelitas. Também recebemos bençãos de Deus, livramentos maravilhosos, demonstrações generosas de Seu favor para conosco, então nos alegramos e O louvamos para em seguida nos perdermos em murmurações, insatisfações e pecados de toda ordem.

A relação com Deus deveria ter o condão de ser algo sublime e maravilhoso para todos que assim o desejassem. Deveria produzir alegrias indizíveis, mesmo que percebessemos que o Senhor não atende exatamente nossos pedidos errôneos em oração.

O Senhor queria que Seu povo no deserto, aprendesse a viver confiante n'Ele. Queria que Seu povo aceitasse de bom grado as provações para que Seu poder, Seu cuidado fosse enfatizado uma vez mais. Queria educar o povo para aprender lições preciosíssimas, povo este acostumado com a servidão no Egito, mas agora liberto e que deveria aprender a viver a liberdade sob a amorosa disciplina de Deus.

Os discípulos de Jesus Cristo, eu e você não somos diferentes dos descendentes de Abraão. Nesta vida, que podemos considerar uma jornada pelo deserto, com muitas tentações como tiveram os israelitas (o bezerro de ouro, Êx 32 e Baal-Peor, Nm 25), estamos pois em perigos de toda ordem que podem nos afastar do Senhor. E muitas vezes, Ele atende nossos pedidos inadequados ou permite determinadas situações sobre nós, que aparentemente podem nos favorecer, gerando uma alegria de momento, mas nossas almas também definharão, como ocorreu com os filhos de Israel.

O apóstolo Paulo deixa bem claro em 1Co 10.1-13 para nós o exemplo negativo dos rebeldes israelitas no deserto. Todo discípulo de Jesus deveria cuidar para não "emagrecer sua alma", ou seja, não permitir que a presença do Espírito de Deus fique minguada dentro de si, a graça de Deus esteja sendo minada por uma vida iníqua. É neste momento que tenho problemas para aceitar a opinião de alguns amados irmãos que afirmam "uma vez salvo, salvo para sempre". Não acredito nisso, pois a Palavra de Deus é pródiga em nos alertar sobre os perigos na vida cristã e que, caso descuidemos, poderemos até perder nossa salvação.

Mas o discípulo de Jesus conta com um poderoso aliado. O Espírito Santo. O capítulo 8 de Romanos é uma espetacular demonstração do que podemos ganhar se procurarmos diligentemente andar em Espírito e viver também em Espírito (Rm 8.13,14; Gl 5.25). E o Espírito de Deus testifica fortemente em nosso interior de que somos filhos de Deus (Rm 8.16). Recebemos o espírito de adoção de filhos (Rm 8.15). Não somos mais escravos do pecado.

Discípulo de Jesus, saiba então que é forte a mão do Senhor sobre ti. Ele, através do precioso Espírito Santo que em nós habita, pode te fortalecer, te "imunizar" diante de tantas tentações que nos acometem na jornada e nos fazer chegar com segurança à Sua presença naquele grande dia. Poderemos então dizer como o salmista: "Bendito seja o Senhor Deus de Israel, de eternidade em eternidade, e todo o povo diga: Amém. Louvai ao Senhor" (Sl 106.48).

Que esta seja nossa postura, que esta seja nossa adequada posição diante do Senhor. Não tenha uma alma "magra", mas sim, robustecida pela obediência ao Senhor em todo o nosso viver. Que Ele abençoe você dessa forma, amém!

Nenhum comentário:

O Discípulo e as Bênçãos da Salvação

Das muitas, inumeráveis e abundantes reflexões que a Palavra de Deus proporciona a todos nós, discípulos de Cristo, está o que concerne...