sábado, 31 de outubro de 2009

Marcas de um Discípulo Autêntico: Serviço (5)


Jesus Cristo viveu uma vida de inteiro serviço a Deus conforme nos afiançam as Escrituras. No livro do profeta Isaías, o capítulo 53 é conhecido como a passagem do Servo Sofredor. O seguidor sincero de Jesus há de compreender que seu Mestre e Senhor foi um servo na plena acepção da palavra.

Sendo desta forma, todo discípulo de Cristo, tomando-lhe como exemplo supremo, deverá da mesma maneira evidenciar esta marca identificadora em sua vida. Filipenses 2.7 sem meias-palavras afirma categoricamente que Ele tomou a forma de servo. A magistral passagem do lava-pés em João 13 declara o caráter de serviço que Cristo assumiu plenamente e com toda humildade. E é nesta passagem que Ele deixa o ensinamento de que assim como Ele, sendo Senhor e Mestre, efetuou a lavagem do pés dos discípulos (incluindo Judas Iscariotes), também da mesma maneira deveríamos ter igual intenção e serviço uns com os outros.

Em Filipenses 2.4 Paulo ensina que não devemos cuidar apenas de nossos próprios interesses, mas de igual modo, deveríamos cuidar dos interesses dos outros. Desta forma, fica bem claro de que um legítimo seguidor de Cristo é um servo, alguém que foi chamado pelo Senhor para imitá-lo, procurando de todas as formas o bem estar de seu próximo.

Este serviço em favor de outrem é movido pelo amor, porque pode ser que alguém seja um servo mas sua motivação é farisaica, no sentido de que espera o aplauso dos outros, é um serviço prestado inteiramente por esforços humanos. Seu fim é a glorificação do próprio indivíduo.

Sejamos servos por amor. Esta marca de um discípulo autêntico gera a humildade em nosso ser porque visamos o bem dos outros em detrimento até, muitas vezes, de nosso conforto próprio.

Foi desta forma que Jesus andou entre nós e é assim que Seus discípulos devem andar. Não há outra maneira porque somos seus seguidores e, portanto, imitadores.

Amado servo de Deus, que Ele abençoe sua vida nesta semana e você possa ser inteiramente servo por amor assim como Ele te serviu, morrendo na cruz do Calvário por ti. Amém.

sábado, 24 de outubro de 2009

Marcas de um Discípulo Autêntico: Esperança (4)


Esperança. Sem ela não poderíamos viver. A firme confiança em Deus e o futuro glorioso que Ele reservou aos que Lhe são fiéis, faz com que todo discípulo fiel de Jesus viva exultantemente. Esta marca no cristão está atrelada à alegria porque vai gerar esta e mantê-la em meio às adversidades naturais de nossa existência.

Contemplamos todos os dias inúmeras situações de sofrimento, dor, morte, que grassam entre os homens, mas, apesar disto tudo, há esperança em Deus. É singular esta esperança porque está fundamentada nas promessas de Deus para os que fielmente servem-No. O discípulo de Cristo desprovido de esperança em verdade não conhece Aquele que por ele morreu e ressuscitou. Seu olhar está voltado somente para a transitoriedade desta vida.

O que pode manter-nos firmes e inabaláveis em meio a todas as manifestações antiDeus e antivida que hoje vislumbramos avassaladoramente? Esperança. Em Deus e em Sua Palavra e Suas promessas. Em Jesus Cristo e Sua obra consumada na cruz. Fé, alegria e esperança caminham juntas, estando inexoravelmente unidas. Porque, se tenho fé no que Deus prometeu sendo Ele perfeitamente poderoso para cumprí-las, como consequência estarei vivendo em esperança e a alegria do Espírito Santo inundará minha alma. Isto faz toda a diferença, destaca-nos dentre todos os demais e muitos poderão indagar o porque desta nossa esperança (1Pe 3.15).

Sendo assim, minha oração é para que todos que seguimos a Jesus Cristo possamos estar plenos desta maravilhosa esperança. O mundo precisa do Evangelho de Cristo porque é uma mensagem real que suscita esperança nos corações de todos os que creem.

"Alegrai-vos na esperança" (Rm 1212a) porque a esperança juntamente com a fé e também o amor (1Co 13.13) é o que permanece e o que distingue de fato um cristão verdadeiro.

Tenha uma semana plena de bençãos e que a abundante esperança do Senhor inunde o seu coração.

sábado, 17 de outubro de 2009

Marcas de um Discípulo Autêntico: Mansidão (3)


Falaremos nesta oportunidade sobre a terceira marca ou característica que atesta um legítimo seguidor de Jesus Cristo, a mansidão. Jesus disse em Mateus 11:29: "Tomai sobre vós o meu jugo, e aprendei de mim, que sou manso e humilde de coração; e encontrareis descanso para as vossas almas."

Como uma das sublimes características da personalidade do Senhor Jesus, a mansidão é definida como uma atitude interior, do coração, enquanto a gentileza se expressa antes por meio de ações externas. A mansidão é parte componente do fruto do Espírito conforme Gl 5.23 e é produzido somente por meio do Espírito Santo. Portanto, é um estado de espírito de alguém que tem controle e domínio sobre o seu temperamento e atitudes.

Os mansos não se ressentem com a adversidade. Entendem que tudo concorre para o bem (Rm 8.28) e assim, tudo aceitam como parte do propósito amoroso de Deus para suas vidas pelo que também aceitam as injúrias dos homens. O apóstolo Pedro em sua primeira epístola cap. 3 atesta que devemos sim cultivar a mansidão e não pagar mal por mal ou injúria por injúria a exemplo de Nosso Senhor e Salvador Jesus Cristo.

Esta marca na vida do discípulo de Cristo é uma das que mais confirmam sua condição de aprendiz do divino Mestre pois Jesus fala enfaticamente, "aprendei de mim." O apóstolo Paulo, recomendando ao seu jovem obreiro Timóteo, disse que se deve repreender ao irmão que erra com mansidão (2 Tm 2.25) e também ter este mesmo espírito quando estamos tratando uns com os outros (Ef 4.2).

Portanto, devemos considerar com toda diligência, em nosso caminhar com Jesus Cristo, se realmente estamos aprendendo com Ele a mansidão. Ela é fundamental em nossos relacionamentos e é fundamental como parte de nosso testemunho. A mansidão é marca distintiva do cristão.

Minha oração é para que você aprenda a ser manso. Como Jesus. Devemos imitá-lo em tudo. Como você tem reagido em face das injúrias? Você tem tido uma postura digna de um seguidor do humilde carpinteiro de Nazaré?

Medite nesta marca nesta semana, veja o que diz a sua Bíblia a respeito e que Deus possa ajudá-lo nesse mister. Ele te ama e quer moldar seu caráter para que vez mais possa ser como Jesus.

Fique na paz do Senhor!

domingo, 11 de outubro de 2009

Marcas de um Discípulo Autêntico: Integridade Pessoal (2)


Queremos discorrer sobre a segunda marca para um discipulado autêntico, a integridade pessoal.

Ser íntegro significa ser inteiro, correto, reto, completo, incorruptível, perfeito, sincero. O discípulo de Jesus deve, mesmo em meio à sua falibilidade e finitude, apresentar esta salutar característica porque emana do próprio Deus. O Senhor Jesus exorta em Sua Palavra: “Sede vós perfeitos, como é perfeito o vosso Pai que está nos céus”(Mt 5.48). Uma condição essencial para que sejamos reais seguidores de Jesus, de poder estar e ficar em Sua presença, porque o Salmo 15, versão de Almeida Revista e Atualizada diz no verso 3 que o que vive com integridade e pratica a justiça e de coração fala a verdade, habitará no tabernáculo do Senhor e morará em Seu santo monte, expressões que denotam estar na presença e em comunhão com o Senhor.

Por isso, reveste-se de fundamental importância na vida de um discípulo de Cristo, que ele seja sincero, que ele seja íntegro. Integridade que consiste em ter um fluxo de pensamentos saudáveis, cultivando aquilo que fala Filipenses 4.8: “Quanto ao mais irmãos, tudo o que é honesto, tudo o que é justo, tudo o que é puro, tudo o que é amável, tudo o que é de boa fama, se há alguma virtude, e se há algum louvor, nisso pensai.” Por sua vez, isto gerará a boa consciência no cristão evidenciada pelo apóstolo Paulo em 1 Tm 1.19: “Conservando a fé e a boa consciência, a qual, alguns, rejeitando, fizeram naufrágio na fé.”

Integridade também no que concerne aos nossos relacionamentos com opróximo, quer sejam cristãos ou não: “Por isso deixai a mentira, e falai a verdade cada um com o seu próximo; porque somos membros uns dos outros;” “Aquele que furtava, não furte mais; antes trabalhe,fazendo com as mãos o que é bom, para que tenha o que repartir com o que tiver necessidade;” “Mas agora, despojai-vos também de tudo isto: da ira, da cólera, da malícia, da maledicência, das palavras torpes de vossa boca”(Ef 4.25,28; Cl 3.8).

Resumidamente então, a integridade passa por nossa vida interior – uma mente pura voltada inteiramente para o Senhor, procurando sempre uma contínua corrente de pensamentos que agradem a Deus e integridade também em todo nosso relacionamento com o próximo - as corretas atitudes para com nosso semelhante que evidenciem nossa condição de imitadores de Cristo, tratando portanto a todos como nós mesmos gostaríamos de ser tratados (Mt 7.12).

Discípulo de Jesus lembre-se que fomos chamados para em tudo glorificar ao nosso Senhor (1 Co 10.31). É de fato imprescindível que cuidemos de nossa integridade pessoal, porque a Palavra de Deus fala claramente de nossa corrupção interior (Jr 17..9, Mt 15.18-20). Ter a marca da integridade pessoal, portanto, torna-se fator primordial para ser um discípulo autêntico. Que Deus abençoe você neste dia que nos fez o Senhor.

segunda-feira, 5 de outubro de 2009

Marcas de um Discípulo Autêntico: Testemunho (1)


Gostaríamos de falar sobre o que pode distinguir um verdadeiro discípulo de Jesus Cristo. Pensando sobre isso, acho que há uma característica fundamental que destaca-se em relação a outras mais. Essa característica, essa marca é o testemunho.

O testemunho é fundamental na medida em que compreendemos que testemunha é alguém que tem conhecimento de algo e demonstra-o. É alguém que testifica em uma causa. Note:

1) O discípulo de Jesus precisa conhecê-lo pessoalmente;
2) Sua vida deve demonstrar que é certo o que ele fala sobre Cristo;
3) Ele deve dizer tudo o que sabe acerca de Jesus Cristo que possa favorecer Sua causa.

Este último, o falar a favor de Jesus só alcançará efetividade na medida em que as outras duas sejam realidades tangíveis na vida do discípulo.

Tanto no AT como no NT existe esta palavra, de que o servo de Deus na realidade é sua testemunha (Is 43.10; At 1.8).

Você já deve ter percebido que, se sou testemunha e se devo testemunhar, isto é, falar sobre Jesus Cristo então estamos falando de evangelização. O plano de Deus para todo crente, para todo discípulo de Jesus é de que sejamos suas testemunhas. Para isso o Espírito Santo foi derramado sobre os discípulos reunidos no cenáculo porque segundo Jesus falara em Atos 1.8, eles deveriam receber o poder para então testemunhar.

Portanto, ressalte-se de que ninguém pode dizer que é verdadeiro discípulo de Cristo Jesus se não testemunhar. E ninguém pode testemunhar eficazmente se sobre ele não tiver descido o poder do Espírito Santo.

Creio que, baseado nas evidências neotestamentárias, o fator que tornou aqueles primeiros crentes em Jesus bem sucedidos em seu testemunho foi a alta consideração para a orientação apostólica no que tange ao ministério do Espírito Santo. Isto está tão interrelacionado que Jesus falou em Mateus 10.19, 20 que, se porventura fossem levados perante as autoridades , não deveriam preocupar-se sobre o que falariam porque naquela mesma hora o Espírito Santo lhes concederia o que haveriam de falar, ou seja, de testemunhar.

Assim, o testemunho, reputo como o distintivo primordial em nossa vida cristã. Não estaríamos aqui se alguém não falasse de Jesus, se alguém não proclamasse, se alguém não testemunhasse.

Discípulo de Jesus, você e eu, façamos do testemunho nosso principal identificador. Conhecer a Cristo pessoalmente, demonstrar isto em sua vida cotidiana e falar para outros que não o conhecem é realmente prioritário. Lembremos do que disse Pedro em sua primeira epístola "...para que anuncieis as virtudes daquele que vos chamou das trevas para a sua maravilhosa luz" (2.9).

Então, que Deus abençoe você e o seu testemunho.







sábado, 3 de outubro de 2009

Pastoreio inconveniente para o discipulado autêntico


Conheço um discípulo de Cristo que procurava servir a Deus com fidelidade. Um dia por não vigiar e orar (Mt 26.41), começou novamente a obedecer às concupiscências por deixar o pecado reinar em seu corpo (Rm 6.12). Casado, cedeu aos apelos do pecado existentes no mundo virtual (1 Jo 5.19) e em uma sala de bate-papo conheceu outra pessoa e relacionou-se virtualmente com a mesma por aproximadamente dois meses. Foi atraído e seduzido pelo seu próprio desejo (Tg 1.14) e então este desejo tendo concebido, deu à luz o pecado e o pecado, sendo consumado, gerou sua morte espiritual.

Porém, Deus, que ama ao pecador não desejando que se perca mas que se arrependa (2 Pe 3.9), interviu na situação e este discípulo foi apanhado em seu pecado por sua esposa e confrontado com o mesmo à semelhança do rei Davi (2 Sm 12.1-7). E à semelhança de Davi, veio a arrepender-se (vs 13; Sl 51). O pastor foi informado à respeito pela esposa e o irmão confrontado também pelo pastor, confessou da mesma forma e pediu perdão, assim como pedira à sua companheira.

Nos dias subsequentes ao fato, houveram mais dois encontros daquele pastor com aquela ovelha para que ela fosse fortalecida, curada e ministrada (Ez 34.4).

Depois disto, nunca mais!

Sendo que o pastor não procurou mais a ovelha, nunca mais indagou à esposa como estavam as coisas, limitando-se a cumprimentá-los nos cultos de domingo (quando isto é possível, dada à grande quantidade de membros daquela congregação).

Não procura saber o estado das suas ovelhas (Pv 27.23). O lamentável episódio ocorrido com o irmão já fazem quase dois anos e, exceto nos dois encontros nas duas semanas subsequentes ao fato, não houve mais nenhuma manifestação daquele pastor para aquela ovelha. Pelo contrário, a ovelha até tentou aproximar-se, tentando um contato mais íntimo, mais pessoal, dando a entender que queria recomeçar, que tinha interesse em fazer a obra de Deus, que estava estudando a Bíblia, que tinha (e tem) planos em continuar a trabalhar pelo Reino , a ovelha tinha um trabalho na igreja, inclusive, mais foi e tem sido ignorado pois o que tem prevalecido é a superficialidade, e o desinteresse da parte do pastor pela sua vida. Soube até que a ovelha se propôs a ir à residência daquele líder, mas por algum motivo não foi possível, porém este não foi despertado pela procura que aquela ovelha fazia de seu denominado pastor.

Pode até ser, e não duvido, de que aquele pastor lembre de orar por aquela ovelha e pela esposa e filhos, mas isto é pastoreio com luvas de pelica! É não querer ter o cheiro de ovelhas em suas mãos e em suas roupas.

Esta história real, demonstra o quanto a obra de Deus na vida de alguém pode ser perturbada. Pelos seus próprios deslizes e pecados e por aqueles que, deveriam acompanhar, alimentar, sustentar, cuidar para que aqueles que caíram possam ser restaurados de fato (Gl 6.1-6).

É triste ter de constatar que existem pastores que agem desta maneira. Não se interessam pela vida de suas ovelhas como deveriam, se as veem nos cultos para eles é o que basta pois deduzem então de que tudo deve estar bem com elas e também acham que basta a palavra que pregam para acharem que aquela ovelha estará então ministrada em sua vida.

Nada mais enganoso. Na igreja de Cristo, os relacionamentos são fundamentais, como já dissemos aqui muitas vezes, para o crescimento mútuo. Não é o caso de a ovelha depender do pastor e isso se tornar uma situação de dependência extremada. Mas também não é o caso de o pastor se omitir quase que totalmente da vida daquele irmão que caiu e absolutamente não se interessar em ter uma conversa mais aprofundada com ele, pois cumprimentos, meros apertos de mão ou abraços não significam absolutamente mutualidade ou interação de vidas.

Falha o pastor que assim procede. Falha em seu papel de pai espiritual. E que não dê desculpas sem fundamento de que a igreja cresceu, são muitos os membros e ele não pode visitar. Porventura Deus não o chamou para isso (Jo 21.15-17) ?

Apascentar ovelhas. Isto falta na igreja de hoje muitas vezes. O discipulado autêntico necessita de que pastores autênticos não somente falem sobre isso mas que pratiquem isso. Se a igreja é grande, ele deve, além de dar o exemplo, ensinar aos seus co-pastores e obreiros que isso deve ser feito. Era assim que Jesus fazia com os doze apóstolos.

Meu irmão, é meu desejo em Cristo que se você está passando por situação semelhante, tenha paciência, não deixe de orar a Deus, medite na Palavra e ore pelo pastor e pela igreja.

Que a graça de nosso Senhor Jesus Cristo, o amor de Deus Pai e a comunhão do Espírito Santo seja com todos, Amém!


O Discípulo e as Bênçãos da Salvação

Das muitas, inumeráveis e abundantes reflexões que a Palavra de Deus proporciona a todos nós, discípulos de Cristo, está o que concerne...